Se tivéssemos de o definir enquanto guitarrista, diríamos que Nuno Ferreira é um rocker. Mas, de facto, versatilidade e capacidade de improvisação para rapidamente conseguir atingir o que lhe é pedido em cada tipo de trabalho são as características que melhor o definem.
Nuno Ferreira começou a aprender a tocar guitarra aos 11 anos na escola de Jorge Nascimento. Começou a integrar bandas pouco depois – de originais e de covers.
Aos 15 anos dá o “salto” para o circuito de bares de Lisboa. Aos 16 grava o primeiro disco.
É nessa altura que sente necessidade de aprofundar conhecimentos teóricos e técnicos do instrumento, o que o leva a inscrever-se na Academia de Amadores de Música, onde ficou até ao 5º ano. Teve aulas com José Peixoto, entre outros.
No final dos anos 80, o circuito de bares é o que lhe ocupa a maior parte do tempo: toca, por exemplo, com Telmo Lopes (actual produtor de Filipe La Féria), Virgílio Marujo (actual baterista de Rui Bandeira) e Quim Correia.
O início dos anos 90 é marcado pelos Rock’n’Lata – banda constituída por Virgílio Marújo, Tó Andrade (na altura, acabado de sair da Go Graal Blues Band) e Carlos Barquinha – e pela ida ao Festival da Canção, ajudar a defender um tema com música de Luís Filipe e Carlos Alberto Moniz, com letra de Rosa Lobato Faria. Ficaram em 2º lugar.
Desde então, tocou ou gravou com inúmeras bandas e cantores, dos quais destacamos Fernando Pereira, Íris, Paulo Brissos (também DVD ao vivo), Anabela, Emanuel, Rui Bandeira, Lucky Duckies, Marco Paulo, Ágata, Ruy Siqueira, Filipe Neves, Xanadu, Da Vinci, Rock’é’Rock, Gato, XS, Kabuba Brothers, Ana Isabel Baptista, Sofia Gaspar, Frederico Braga da Costa, Pedro Vaz, Sérgio Rossi e Nuno Barroso.
Integrou também a orquestra de Pedro Duarte, no programa “Chamar a Música”, de Herman José e, em 2011, gravou o primeiro trabalho de originais – “Viagens a Preto e Branco”, editado pela editora Ovação e com o apoio da Fender.
De 2009 a 2016, inclusive, fez parte da banda suporte de Tony Carreira.
Actualmente, podem vê-lo com o seu projecto de originais, no qual toca também covers de Joe Satriani, Steve Vai ou Dire Straits, entre outros, e tem uma banda de covers – os Mt80 – que fazem concertos em todo o país e no estrangeiro. Continua a dar aulas particulares de guitarra.